» Blog


09/03/2018

Intenção de consumo das famílias cresce 12% em fevereiro


A intenção de consumo das famílias gaúchas em fevereiro teve elevação de 12,0% na comparação com o mesmo mês do ano passado. Frente a janeiro/2018, a alta foi de 1,8%, atingindo 69,8 pontos.  A elevação ocorreu em todos os componentes da pesquisa Intenção de Consumo das Famílias (ICF), com exceção do indicador que avalia o consumo de bens duráveis e perspectivas profissionais. Os dados do ICF foram divulgados na sexta-feira (23) pela Fecomércio-RS.

O indicador que avalia a segurança com relação a situação do emprego alcançou 88,2 pontos em fevereiro, o que representa uma queda de 17,8% na comparação com fevereiro/2017 e alta de 6,6% sobre janeiro/2018. Na avaliação do presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn, essa recuperação marginal está em linha com a retomada do mercado de trabalho, mesmo que boa parte da ocupação registrada seja oriunda de vagas informais. “Para este ano, com o aquecimento da atividade econômica, a recuperação do mercado de trabalho deve se estender aos empregos com carteira assinada, dando mais solidez a retomada do consumo”, afirmou Bohn. A avaliação quanto a situação de renda atual alcançou 72,7 pontos, um avanço de 58,3% em relação a fevereiro/2017 – a forte variação ocorre pela base de comparação fraca.

O indicador que mede o consumo atual registrou 50,1 pontos em fevereiro, elevação de 48,3% sobre o mesmo mês do ano passado e alta de 7,6% sobre janeiro/2018.  Apesar da recuperação percebida no mercado de trabalho nos últimos meses, esse movimento vem ocorrendo de forma lenta e com mais ênfase em ocupações com menor regularidade no recebimento de renda pelos trabalhadores. No entanto, a perspectiva de melhora da economia neste ano, com reflexos positivos na geração de postos formais, permitirá uma recuperação na intenção de consumo.

Já o índice que mede a facilidade de acesso ao crédito atingiu 73,4 pontos em fevereiro/2018, alta de 48,9% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Já na comparação com janeiro/2018, o crescimento foi de 6,9%. Apesar da taxa básica de juros estar no menor patamar histórico, esse recuo vem sendo passado ao consumidor de forma gradual.  No entanto, a manutenção da Selic em patamares reduzidos e com a melhora do mercado de trabalho, a perspectiva é de que o acesso ao crédito avance. Em relação ao momento para o consumo de bens duráveis, o ICF apurou uma elevação de 71,5% em fevereiro/2017, chegando a 62,7 pontos. Após um período marcado pela recuperação no segundo semestre do ano passado, o indicador voltou a cair na margem (recuo de 15,1% frente a janeiro/2018). Com a concentração de compra deste tipo de bem no final do ano, neste período é comum que as intenções de compra diminuam.

Em relação às expectativas das famílias, o indicador de perspectiva profissional cresceu 10,0% em fevereiro sobre o mesmo mês de 2017, alcançando 79,8 pontos. Nas perspectivas de consumo houve novamente uma retração significativa na comparação interanual, com queda de 32,0%. Aos 61,8 pontos, o indicador segue em recuperação na margem, registrando alta de 8,3% frente a janeiro/2018.

Fonte: Assessoria de Comunicação Fecomércio-RS


Veja também:


16/07/2018

» Geração Z é mais vulnerável à fake News

16/07/2018

»

16/07/2018

» Dia do Comerciante, 16 de julho


Comentários: